A entronização de Francisco I e sua ligação a João Paulo I - O papa que não chegou a ser Rei (Act.)

19-03-2013 14:44

                                   

Meus amigos, agora que já temos a missa solene de entronização para o novo papa Francisco I e um novo rei do estado soberano do vaticano, vamos olhar novamente para a profecia de apocalipse 17 que nos últimos dias nas comunidades escatológicas está envolta em bastante polémica quanto à sua interpretação.
(Toda esta questão de Apocalipse 17 e a análise dos sete/oito reis, ver:

O último conclave!!!

http://www.nunes3373.com/news/o-ultimo-conclave/)
 
Inicialmente a nomeação do novo papa Francisco I deixou-me com uma pulga atrás da orelha, como podia uma profecia de certa forma tão elucidativa, me levar a equivocar na análise de quem seriam os oito reis da grande prostituta de apocalipse 17?
Fiquei surpreso quando vi Bento XVI a renunciar nesta altura, na minha primeira análise a esta profecia desde logo afirmei que para surgir o oitavo rei da profecia, para mim o 8º papa posterior ao tratado de latrão, teríamos que estar mergulhados no caos, pois esse papa viria como o grande salvador (falso profeta) e a verdade é que apesar do caos estar a surgir, está longe do que nos espera…
Sendo assim o que poderia ter corrido mal na análise?
Sabendo que estava a lidar com mestres da ilusão e dissimulação, inicialmente comecei por investigar o que era necessário para se ser considerado rei do estado do vaticano, pensando eu que talvez as forças satânicas que o controlam pudessem de certa forma, numa manobra de diversão contornar a profecia bíblica, nomeando um papa que efetivamente não fosse rei do estado soberano do vaticano.
Relembro que a constituição Apostólica de 96 (como veremos mais à frente), removeu a coroação e que só após a inauguração solene do pontificado e num espaço de tempo adequado ,o papa tomará posse de acordo com o ritual prescrito, não está impedida a hipótese de haver uma coroação, mas o papa para ser rei terá que tomar posse do cargo de chefe de estado na Basílica Patriarcal de Latrão, que não ocorre na mesma data do anúncio do resultado conclave, por exemplo a nomeação de Bento XVI foi anunciada a 19-4-2005 e a data da posse foi 24-4-2005, logo em 19-4-2005, Bento XVI ainda não era o rei da profecia, tal só aconteceu a 24/4/2005.
Aqui importa referir um pormenor muito importante, satanás anda a pensar nisto há muito tempo e apesar de tudo ele tem de cumprir todas as profecias, pois sendo ele o acusador no julgamento de todas as almas, só assim terá argumento para reclamar as mesmas, caso contrário as almas poderiam alegar que a bíblia não era acurada.
Apesar disso ele pode fazer manobras diversivas de forma a tornar a situação o mais complicado e complexa possível de forma a enganar os incautos, nisso ele é mestre pois é o Príncipe das Mentiras.
Eu mesmo pensei até há poucos dias que todos os papas desde o tratado de Latrão tinham sido empossados legalmente, mas graças a um amigo a quem tiro o meu chapéu, quando falava sobre o possível ou não empossamento de Francisco I, fui alertado que, desde a ratificação do tratado de Latrão em 1929 que conferiu ao vaticano o estatuto de estado soberano e independente da Itália, houve um papa que não foi empossado por lei, contrariamente ao que eu acreditava, não podendo ser efetivamente considerado rei (chefe de estado efetivo) do vaticano:

 

 João Paulo I

 

Analisemos então a história do seu curtíssimo papado.
Em primeiro lugar quando da altura da eleição de João Paulo I, as regras sobre eleição dos papas para tomarem posse como reis exigia a coroação, sendo assim Paulo VI foi o último a ser coroado no vaticano e até então efetivamente rei.
Vejam o que encontramos neste site de origem católica:
“Paulo VI manteve na Constituição Apostólica Romano Pontifici Eligendo (1975), sobre as Eleições dos Papas, menções à coroação dos seus sucessores:
“Finalmente, o Pontífice será coroado pelo Cardeal Protodiácono e, dentro de um momento oportuno, irá tomar posse na Arquibasílica Patriarcal de Latrão, de acordo com o ritual prescrito".
João Paulo I não quis a coroação. Houve apenas uma cerimónia chamada de "inauguração do Sumo Pontífice", embora tenha usado a Sedia Gestatória (trono móvel, ricamente adornado, utilizado para transportar o Papa).”
Fonte: http://www.defesacatolica.org/index.php?option=com_content&task=view&id=326&Itemid=30
(Ver também, Coroação: http://pt.wikipedia.org/wiki/Coroa%C3%A7%C3%A3o)
Ou seja, João Paulo I recusa a coroação e não muda a lei logo a cerimónia da sua coroação não é legal, lei essa que tornava obrigatória a coroação e que viria apenas a ser alterada por João Paulo II, que revisou as regras e removeu qualquer menção a uma coroação papal.

Seu sucessor, João Paulo II, não só recusou a coroação como retirou qualquer menção à coroação dos pontífices na Constituição Apostólica de 1996, Universi Dominici Gregis. Assim ele se pronunciou em sua "Inauguração":
"O último Papa que foi coroado foi Paulo VI em 1963, mas após a cerimónia de coroação solene ele nunca usou a tiara novamente e deixou seus sucessores livres para decidirem a esse respeito. O Papa João Paulo I, cuja memória é tão viva em nossos corações, não gostaria de usar a tiara, nem o seu sucessor deseja hoje. Este não é o momento de voltar a uma cerimónia e um objeto considerado, erradamente, como um símbolo do poder temporal dos papas. Nosso tempo nos chama, nos exorta, nos obriga a olhar para o Senhor e mergulhar na meditação humilde e devota sobre o mistério do poder supremo do próprio Cristo".
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Coroa%C3%A7%C3%A3o_papal
E aqui está a lei alterada:

CONSTITUIÇÃO APOSTÓLICA DO SUMO PONTÍFICE JOÃO PAULO II UNIVERSI DOMINICI GREGIS

http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/apost_constitutions/documents/hf_jp-ii_apc_22021996_universi-dominici-gregis_po.html

 

E analisando a mesma, não vemos qualquer referência a retroativos pelo que numa análise legal, NÃO SE PODE CONSIDERAR QUE JPI FOI REI DO ESTADO SOBERANO DO VATICANO!
Além de tudo isto a cerimonia que João Paulo I escolheu nem sequer foi uma cerimónia de entronização, pois ele quis que tudo fosse reduzido a uma missa ao ar livre em plena praça. Não aceitou em sua cabeça o contato com a tríplice tiara “símbolo dos três poderes” sobre tudo e sobre todos, tiara essa que lhe dava o título de “Pai dos Príncipes e dos Reis”. Em síntese, João Paulo I aceitou apenas o poder espiritual e não o poder material sobre o estado do vaticano.
Tudo isto tem de ser considerado até uma recusa de entronização, mesmo que a entronização fosse valida, mas volto a repetir nem sequer existia lei que validasse a entronização, que foi apenas validada por João Paulo II e sem retroativos, logo João Paulo I jamais pode LEGALMENTE ser considerado rei do vaticano.
Sendo assim pergunto:
Estaria a bíblia correta caso considerasse João Paulo I rei?
A meu ver não e a bíblia não pode ter erros, sendo esta não coroação de JPI um pequeno/grande pormenor.

 

Curiosidades à volta da morte de JPI:

Mas as circunstancias estranhas em redor de João Paulo I não acabam por aqui, levando-me a pensar que realmente tudo o que rodeia este caso foi pensado e premeditado.
João Paulo I morre estranhamente ao fim de 33 dias de ser nomeado pelo conclave e a sua morte nunca foi devidamente explicada, o vaticano alega que foi de causa natural, mas será mesmo assim?
Segundo vários investigadores, João Paulo I foi sim assassinado:

Para o escritor inglês David Yallop, autor do livro Em Nome de Deus – uma investigação do assassinato do papa João Paulo I, Albino Luciani teria sido eleito pelos conservadores simplesmente para cumprir ordens. Mas, ao demonstrar carisma, liderança e, principalmente, disposição para reformar os quadros e interferir no comando do Banco do Vaticano, teria despertado o receio de determinado grupo de prelados.
O diretor executivo do Banco do Vaticano, Paul Marcinkus, seria um dos primeiros prejudicados por João Paulo I. Sua exoneração traria à tona extensas negociatas com a Máfia Italiana e a Maçonaria. Marcinkus era notoriamente próximo do presidente do Banco Ambrosiano de Milão, Roberto Calvi, por sua vez amigo do advogado e financista siciliano Michele Sindona. Os três mantinham relações com Lício Gelli, outro financista que controlava a loja maçónica P2, a qual teria se infiltrado no Vaticano.”
Fonte: http://super.abril.com.br/religiao/quem-assassinou-papa-joao-paulo-l-445126.shtml

 

Reparem bem nos seguintes pontos:
 
- JPI eleito para cumprir ordens, devemos perguntar aqui: Ordens de quem???
- Exposição de negociatas com a máfia e a maçonaria,
- Loja maçónica P2 (a mais poderosa de Itália) envolvida e infiltrada no vaticano,
- 33 dias até a sua morte, uma clara assinatura maçónica.

 

E agora vejam este escândalo:
As suspeitas de envenenamento são amplificadas pelo fato de o Vaticano jamais permitir uma autópsia no corpo santo de um Papa.”
http://www.universitario.com.br/noticias/n.php?i=3248
 
Que conveniente…
Por muitas desculpas que nos deem, não deixa de ser uma boa forma de ocultar um possivel assassinato…
 
Sendo assim, para mim até vermos o próximo papa a seguir a Francisco I, a visão que fala na prostituta sentada em cima de sete montes que veste de púrpura e escarlate e adornada de ouro e pedras preciosas continua a ser a mesma, pois agora reconheço o sétimo e não o oitavo rei.
E até interessante rever a mesma pois agora se entende melhor a passagem:
 

“Eles são também sete reis: estão caídos cinco, existe um, e o outro ainda não veio. Quando vier, importa que dure pouco tempo.

A besta que era e que já não é, é também o oitavo rei e é um dos sete; e vai-se para a perdição.”

Apocalipse 17:10-11

 

Agora se consegue quanto a mim entender melhor os 5 caídos e um que existe, reparem:
5 CAIDOS=MORTOS
1 EXISTE=BENTO XVI RESIGNA, NÃO MORREU, EXISTE
1 QUANDO VIER IMPORTA QUE DURE POUCO TEMPO - (?)
 
Aliás tudo agora faz mais sentido, pois para surgir o falso profeta, antes terá de surgir o caos, pois ele será a falsa solução apresentada pela maçonaria para o mesmo.
Mas também como todos devem entender apenas depois da resignação de Bento XVI era possível vislumbrar melhor a profecia.
 
Por tudo isto a conspiração à volta da morte de JPI e seus 33 dias parece que pode ser parte do golpe de mestre de satanás para iludir as massas e descredibilizar os cristãos devotos a Jesus Cristo que andam em cima das suas manobras doentias.
 
Na verdade só teremos a certeza se esta profecia se aplica aos papas da igreja católica, quando Francisco I terminar o seu reinado, mas uma coisa é certa, se esta igreja que mancha a palavra de Jesus com tanta história mal contada de assassinatos, perseguições, pedofilia, e tudo de pior que podemos conceber não é uma grande prostituta (igreja que se vendeu) quem poderá ser?

 

Outras interpretações:

Segundo alguns escatólogos o 8º rei representa não individualmente um papa mas sim o próprio vaticano que voltará no fim dos tempos a ter um poder persecutório, esta opinião é para mim de certa forma possivel, outros dizem ainda que Francisco I é efectivamente o falso profeta, mas eu continuo a acreditar mais na primeira versão.
 
Assim também faz mais sentido a chegada do anticristo por volta do ano 2015/2016 conforme já foi avançado por mim, que a análise à pirâmide maçonica indica e é quando o nosso candidato tem 33 anos, ver:
21-12-2012 VS A Bíblia...e o fim dos tempos (Parte 7) – Conclusão
http://www.nunes3373.com/news/a21-12-2012-vs-a-biblia-e-o-fim-dos-tempos-%28parte-7%29-conclus%c3%a3o/

 

Nota Final

Para terminar este assunto à volta de Apocalipse 17, gostaria de deixar um pedido de desculpas aos leitores por não ter verificado a situação dos papas anteriores a este último mas como veem devido a tanta manobra de bastidores que estes senhores promovem não é fácil chegar a conclusões definitivas, e reafirmo que posso estar enganado, pois sou um analista e não um profeta, dou o meu melhor mas como qualquer ser humano em analises bíblicas posso me enganar.
 
Posso garantir com 100% de certeza é que:
 
A NOM é uma realidade e representará o governo do anticristo e ela está mesmo às nossas portas, agora é a hora!!!!
 
A hora de LUTAR! ALERTEM TODOS OS QUE VOCÊS AMAM!
Abraço a todos.