A tragédia grega - ACTUALIZAÇÃO 2 - A Capitulação de Tsipras

13-07-2015 12:29
                               

ACTUALIZAÇÃO 2 - A CAPITULAÇÃO DE TSIPRAS!

13/07/2015
Este artigo será actualizado de acordo com o desenvolver das ocorrências.
 
A capitulação de Tsipras
Pois é caro leitor, ao fim de uma semana finalmente caiu a máscara de Alexis Tsipras. Tsipras ignorou completamente a vontade do povo grego e falta à sua própria palavra aceitando profundas concessões que significam atravessar várias das “linhas vermelhas” estabelecidas pelo seu próprio partido, aceitando todas as condições de austeridade propostas pelos credores e ainda mais. Nós já tínhamos avisado que provavelmente existiriam ainda desenvolvimentos neste drama teatral até que rebente, mas agora já se começa a vislumbrar qual o plano estabelecido para destruir por completo a economia grega.
Se por um lado vemos Tsipras a contradizer-se a si mesmo e a fazer tudo o que disse que jamais faria (o seu ex-ministro das finanças até afirmou que preferia cortar um braço do que um mau acordo, agora entendemos porque se demitiu), por outro já percebemos quais foram afinal os objetivos da realização do referendo.
E se ganhar tempo e destruir mais um pouco as finanças gregas foi provavelmente um deles, dizer ao povo que simplesmente a sua opinião nada vale, nada interessa e que não encontrarão em nenhum dos ramos da política (seja da extrema-esquerda, de direita ou do centro) uma solução para os seus problemas, pois as elites dominam todos!
 
E com esta farsa toda, Tsipras ainda conseguiu destruir totalmente o pouco que já restava dos bancos gregos, acabando com todas as reservas de capital, para agora entregá-los aos credores.
 
Tsipras como agente das elites, limitou-se a demonstrar ao povo que este é apenas e só um escravo, impondo um autêntico fascismo económico aos gregos.
Como vemos em austeridade, o povo grego irá ter tudo o que Tsipras afirmou que não teria e ainda mais do que tinha sido proposto pelos credores antes do referendo:
- Cortes nas pensões
- Aumento de impostos
- Aumento da idade da reforma, etc, ou seja tudo que até agora nada resolveu e sim trouxe a grécia até à ruína...
E desta vez ainda têm que hipotecar ativos no valor de 50 mil milhões:

Acordo com Atenas inclui fundo de 50 mil milhões de euros

http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Internacional/Interior.aspx?content_id=4677367
Realisticamente falando, É O VEXAME TOTAL DO POVO GREGO!
É que a isto podemos chamar ditadura económica, e nenhuma ditadura, dura eternamente, acabando geralmente em revoluções violentas.
-Mas voltando às medidas, houve uma que Tsipras cruza a linha vermelha e que nos deixou com a pulga atrás da orelha:
-Cortes nas despesas militares!
Ora isto não deve deixar os militares muito satisfeitos e num país que até à entrada no euro tinha como costume fazer golpes de estado frequentes, tal é potencialmente perigoso, principalmente agora que vemos que Tsipras simplesmente se borrifou para a voz do povo no referendo que ele próprio promoveu e mostrando que é mais do mesmo a nível político e que não representa NENHUMA MUDANÇA, sendo mais um capacho das elites!
E este acordo é ouro sobre azul para as elites pois em primeiro lugar porque faz com que todos os ditadores europeus como Merkel e companhia fiquem bem na fotografia e em segundo porque nada como uma saída surpresa e extemporânea para lançar uma verdadeira bomba atómica nos mercados financeiros. Bomba atómica essa que apenas as elites sabem quando será deflagrada.
Concluindo e fechando provisoriamente a atualização a este artigo que acompanha o cada vez mais enterrar do povo grego, o que nos pareceu foi que o referendo e o enredo dos últimos dias foi apenas mais do mesmo, fantochada teatral e montagem peça a peça do inevitável desfecho, que como já dissemos será em breve o colapso económico do sistema financeiro atual.
Este pequeno balão de oxigénio que faz muitos respirar de alívio é apenas temporário, como já foram os outros resgates que nada resolveram, isto continua a ser dar aspirinas a um doente terminal e como é óbvio estas apenas aliviam uma dor até que chegue a inevitável morte.
Ainda vamos ter mais alguns episódios interessantes neste teatro, mas aconteça o que acontecer o que o leitor deve ter presente é que tudo isto que está a acontecer não é por acaso, existe uma nítida agenda por parte das elites para destruir a zona euro e trazer o caos político e económico, isto não terminou aqui e muito menos vai terminar a bem…
Voltamos a apelar ao leitor que esteja prevenido para uma situação como a que assistimos nas últimas semanas na Grécia e até pior, não espere pelo último segundo pois não sabe quando este será e avisos não faltaram, aliás esta foi provavelmente a última negociação que acabou com acordo, pois agora todas as linhas foram ultrapassadas e mesmo a paciência de um povo vexado e derrotado tem limites.

E já quando terminávamos esta atualização:

Tsipras reconhece que acordo alcançado é "duro"

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, reconhece que o acordo alcançado entre Atenas e as instituições europeias é “duro” e que, “inevitavelmente, as medidas que se seguem ainda terão “um efeito de recessão”.
www.tvi24.iol.pt/economia/grecia/tsipras-reconhece-que-acordo-alcancado-e-duro
 

Depois do acordo o desacordo. Eleições antecipadas à vista na Grécia. "Há problemas na maioria" e são esperadas mais demissões

www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=4677299&page=-1
 
Ou seja, RECESSÃO, PROBLEMAS INTERNOS NO GOVERNO e ainda analistas que dizem que todas as medidas draconianas do eurogrupo não são suficientes...
Confusão, acordos e desacordos para que ninguém entenda nada, tudo está feito programado dessa forma, por isso mantemos que devemos-nos apenas focar no desfecho final que será a NOVA ORDEM MUNDIAL.
Desenganem-se os que pensam que tudo terminou aqui, pois na verdade está apenas a começar...

Continua...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

ACTUALIZAÇÃO 1 - OXI, E AGORA?

07/07/2015
Obtido então o resultado de Oxi (Não) no referendo grego, resultado esse que é na verdade indiferente para o desfecho final, vamos então apenas tecer alguns comentários sobre o assunto.
Como todos sabem é nossa opinião que Alexis Tsipras é um agente a soldo das elites (que dominam ambos os lados das negociações) e o seu objetivo é levar a Grécia cada vez mais à ruína financeira sem retorno e posteriormente trazer o fim do sistema financeiro mundial por efeito dominó.
Ambas as partes apenas simulam uma vontade de resolver, pois na verdade trazer a confusão é o objectivo e qualquer solução será apenas provisória.
E se por um lado parece que temos um povo corajoso e capaz de dizer não a uma asfixia de austeridade (que já se viu que nada resolve), por outro parece-nos que acima de tudo o que Tsipras conseguiu foi obter o total apoio popular e ficar sem nenhuma oposição política no seu país, assim obtém total legitimidade de tomar toda e qualquer decisão negocial com os credores. Mas se tivermos razão no que pensamos, a decisão tanto de Tsipras, como da União Europeia é a curto/médio prazo arrasar com o sistema financeiro grego, se é que já não está arrasado…
Na verdade pareceu-nos desde o início que este referendo foi também sempre do interesse dos credores, pois recusaram-se a negociar até que este fosse feito e vimos ainda o "adorável" ministro das finanças alemão Wolfgang Schäuble atiçando o fogo dos gregos provocando-os com declarações chantagistas para condicionar um voto no não, e não no sim como avançava a mídia, pois se o “inimigo” atiça é normal que queiramos responder às provocações, neste caso o OXI foi a resposta espectável.
Não posso ainda deixar de achar estranho que a revista The Economist, propriedade da família Rothschild, horas antes do fecho das urnas e mesmo antes da mídia arriscar um prognóstico, já afirmar categoricamente que o OXI tinha vencido e até acertou nas percentagens finais do resultado (????!!!!!!!????).

The Economist Calls Victory For "No" Camp: Sees 60% Voting "Oxi"

www.zerohedge.com/news/2015-07-05/economist-calls-victory-no-camp-sees-60-voting-oxi
 
E não deixa de ser igualmente interessante que agora digam que o não no referendo é um NÃO AO EURO:

"No" to what?

Greek voters have rejected austerity. Whether they meant to or not, they may find out they have also rejected the euro
www.economist.com/news/europe/21657003-greek-voters-have-rejected-austerity-eu-may-think-they-have-rejected-europe-no-what
Para terminar temos ainda o ministro das finanças Yánis Varoufákis que afirmava antes do referendo que se demitiria caso o sim ganhasse, mas afinal com a vitória do não surpreendentemente também se demite, supostamente para não prejudicar as negociações com os credores. Mas então isso faz algum sentido depois do resultado de NÃO às propostas dos credores???
Ora eu duvido muito de tal altruísmo, pois que se saiba o comandante deve ser o último a abandonar o navio (e neste caso ele até ganhou poder negocial), sendo assim este ato parece-nos mesmo uma total cobardia e Varoufákis assemelha-se sim a um rato a saltar fora de um navio que já sabe que vai ao fundo.
Resumindo e concluindo, agora todos vão ter uma opinião e discutir as culpas, mas a verdade é uma só e tudo o resto fantochada.
Provavelmente o teatro das negociações vai continuar e ambas as partes irão fazer o seu papel parecendo estar interessados em resolver um problema indissolúvel e que já tem o seu destino traçado desde o princípio da crise, no entretanto as elites que dominam a situação vão encaixando mais uns milhões na manipulação dos mercados financeiros de acordo com o andar das negociações.
Esta farsa vai provavelmente prosseguir com avanços e recuos, não adiantando muito estar a tecer muitos mais comentários e previsões de curto prazo, pois no fundo o que interessa é o desfecho final e esse está garantido, vai ser o colapso financeiro do euro e do sistema financeiro mundial, sendo a Grécia apenas uma das primeiras peças do dominó.
Quando será esse fatídico dia só as elites sabem, mas nós também sabemos o que vai acontecer, e o que se esta a passar na Grécia que sirva de exemplo para que se previnam, pois muito em breve isto também chegará ao seu país.
Continua...
 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------  
29/06/2015             
Nos últimos dias tivemos mais alguns episódios do plano das elites (do qual já muito falamos), para destruir a moeda única europeia (Euro) e posteriormente todo o sistema financeiro atual.
Sem querer ser muito exaustivo na análise, vamos tecer um breve comentário sobre os últimos acontecimentos.
Conforme já o dissemos seja do lado dos credores (manobrados por tecnocratas e elementos da alta finança), ou mesmo do lado das cúpulas do governo grego do syriza, o objetivo é trazer a instabilidade (embora o discurso de ambas as partes seja hipocritamente de tentarem um acordo), e tivemos mais uma vez a prova disso com esta falácia de referendo proposto por Alexis Tsipras.
Sim, o referendo é na verdade uma palhaçada e um sacudir a água do capote de Alexis Tsipras, pois como é óbvio o povo grego não tem o devido conhecimento da situação real económica e política do país para poder em consciência e no prazo de uma semana, decidir qual a melhor opção, se é que há opção, pois na verdade diga o povo sim ou não, perde de qualquer das formas, vejamos:
Se votar sim, praticamente entrega o que lhe resta de soberania e com mais austeridade vai ser esmagado, espremido até ao tutano nos seus já parcos recursos pelos tecnocratas e banqueiros das elites.
Se votar não, ficará sem um tostão nos bancos, ficando com uma situação económica de bancarrota…perante este cenário venha o diabo e escolha…
Sendo assim, o governo de Alexis Tsipras, que é também mais um fantoche nas mãos das elites (1), cumpre com o designado, que é trazer mais instabilidade, o nó foi dado de tal maneira bem apertado que já não há forma de o desapertar.
E como é óbvio a Grécia jamais cairá sozinha, toda a gente sabe que posteriormente irá haver o efeito contágio a outros países europeus que estão por si já muito fragilizados com estas manobras, mas que ainda assim pactuam vergonhosamente com as chantagens dos tecnocratas e banqueiros.
Resumindo, exista ou não referendo, e seja qual for o resultado, ou agora ou mais tarde, mas sempre a curto/médio prazo teremos a Grécia literalmente em "ruínas" financeiras, mesmo que o povo diga agora sim ao euro irá ser esmagado até dizer não. O plano das elites em trazer o caos económico vai ser implantado, a bem ou a mal.
Tudo isto é um teatro mediático muito bem encenado, manobrado nas suas cúpulas por um poder oculto de sociedades secretas e no meio de tudo isto ainda vemos notícias que só mesmo gente muito iludida é que pode acreditar.

 A palhaçada total...

Obama telefona a Merkel. É preciso evitar que a Grécia saia da zona euro

http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=4649966
 
Como se telefonemas entre líderes tivessem de ser notícia, ridículo, só mesmo para enganar os tolos.
Datas certas não sabemos, mas o caos está próximo, a tragédia grega está em cena e este não será o último capítulo…
Este artigo será actualizado de acordo com o desenvolver das ocorrências.
 

Referências:

(1) Alexis Tsipras (Syriza-Grécia), mais um fantoche das elites?
http://www.nunes3373.com/news/alexis-tsipras-syriza-grecia-mais-um-fantoche-das-elites-/