O envolvimento do Vaticano na II Guerra Mundial e a conexão à Nova Ordem Mundial

01-09-2017 16:44
                          

Nota inicial: 

Neste artigo analisaremos o envolvimento do Vaticano no começo e desenrolar da II Guerra Mundial e o Holocausto Nazi, mas salvaguardamos o fato de não confundir a generalidade dos católicos que se opuseram à posição das cúpulas da igreja, tendo muitos pago com sua própria vida tal afronta. Também por esses, este artigo foi escrito. 
Esta é uma matéria um pouco mais longa que o habitual mas de fundamental importância e onde daremos provas inequívocas de tudo o que temos vindo a afirmar neste site, pelo que apelamos à compreensão do leitor.
 
 

Introdução

 
Conforme já analisamos por diversas vezes a história do mundo que nos é contada no sistema de ensino e na mídia é apenas a ponta do icebergue de uma teia de influências e corrupção maléfica que atua nas sombras com o intuito de destruir a humanidade. Essa é a História por trás da história que tenta ser abafada por uma elite que domina o mundo há séculos. A perversidade dos controladores é de tal ordem que o ser humano não quer acreditar que seja possível tamanha maldade, descartando muitas vezes a verdade como impossivel. Isso acrescido a uma máquina de propaganda mediática que influencia, distorce e traz ruído de forma a que não seja fácil ver todos os contornos da história, assim impedem que a influência dos “controladores” seja claramente vista pelo público em geral, se mantendo assim impunes.
Mas é claro que para quem pesquisa um pouco mais a fundo e sabe usar a lógica e a racionalidade, não querendo se enganar a si mesmo, são várias as provas que se vão apresentando revelando os verdadeiros causadores de tantas tragédias que assolam a humanidadeNeste artigo veremos resumidamente como, por quem e porquê aconteceu a II guerra mundial e como as entidades que a organizaram são as mesmas que irão trazer ao mundo a Nova Ordem Mundial. Entender a sua agenda permitirá minimizar o custo que eles pretendem trazer.
 

Vaticano – Uma organização ao serviço das Trevas

O público praticamente ignora a responsabilidade absoluta do Vaticano, e seus agentes jesuítas, no início e desenrolar das duas guerras mundiais - uma situação que pode ser parcialmente explicada pelos fundos gigantescos à disposição do Vaticano, dando-lhes poder em muitas esferas da vida social, especialmente a partir do último conflito. Na realidade, o papel desempenhado por eles nesses eventos trágicos, quase nem chega a ser mencionado na história secular. Mas assim como em muitos outros eventos que só trouxeram guerra e destruição à humanidade preparando o caminho do Anticristo, também no holocausto nazi existiu a mão do Vaticano orquestrando nas sombras com o objetivo de eliminar opositores e consolidar o poder da Roma Papal.
A versão contada à geração de que o Holocausto foi meramente um ato racista nazista de extermínio não passa de uma farsa. Os principais arquitetos desse período terrível permanecem protegidos até hoje, como um escárnio à memória de cada pessoa sacrificada no holocausto.
 

A "santa" aliança

 
Mas antes de avançar convém elucidar até o que a história secular afirma sobre a posição do Vaticano na segunda guerra:
O Vaticano seguiu uma política de neutralidade durante a Segunda Guerra Mundial, sob a liderança do Papa Pio XII.
Fonte:  https://pt.wikipedia.org/wiki/Vaticano_durante_a_Segunda_Guerra_Mundial 
 
NEUTRALIDADE?!?
 
E muitas desculpas têm sido dadas para essa neutralidade, mas será que algum dia uma verdadeira igreja cristã poderia ser neutral num conflito ignóbil que ceifou mais de 50 milhões de vidas humanas?!?
Obviamente que não, e para nós só esse fato já diz tudo, mas aqui veremos outros mais claros que comprovam como o Vaticano teve uma influencia nefasta em todo este conflito fazendo jogo duplo com os fascistas e os aliados, com um principal objetivo: Preparar o mundo para o futuro governo do Anticristo.

 

A preparação da guerra

 

Para conquistar o mundo para o Catolicismo Romano, o Vaticano foi construindo e financiando a máquina de guerra de Hitler e os jesuítas haviam secretamente preparado II Guerra Mundial. Hitler, Mussolini e Franco seriam os defensores da fé católica
O efeito das políticas, planos e editais do Papa Pio XI pré segunda guerra foram para efetivamente difundir as lideranças católicas em todo o mundo - como um partido político gigante - que poderia facilmente derrotar qualquer outro candidato, com fidelidade absoluta a Roma. Em 1919, um arcebispo protegido do Papa Pio, Eugenio Pacelli (futuro papa Pio XII), já havia selecionado um candidato adequado para a igreja, o jovem oficial da inteligência Alemã, ferozmente católico - chamado Adolf Hitler. Pacelli passou a se reunir pelo menos uma vez por semana durante os primeiros anos como uma espécie de "Padrinho conselheiro" de Hitler e também principal financiador do seu partido. Vejamos os fatos:  
A história nos mostra a extensa atividade papal na Alemanha previamente à II Guerra Mundial, a qual, sem dúvida, culminou com a ascensão de Hitler ao poder. Essa atividade é muito bem descrita no capítulo dez do livro “The Vatican in World Politics” de Avro Manhattan.
 

Itália

Como evidências mais marcantes temos em 1929, o Tratado de Latrão (1), entre Mussolini e PIO XI, que concedia inúmeras regalias à Igreja Católica, tais como isenção de impostos, imunidade diplomática, reconhecimento da Santa Sé como um Estado soberano, etc. A Igreja Católica por sua vez apressou-se em suprimir da política italiana, o seu Partito Popolare, e todas as diversas demais organizações católicas que poderiam atrapalhar ou causar empecilho durante a implantação do regime de partido único na Itália. Em 1932, Mussolini recebe das mãos do Papa, a Ordem da Espora de Ouro, que é a mais alta distinção concedida pelo Estado do Vaticano.
 

Alemanha

 Intervenientes na assinatura da Reichskonkordat 

 
Em 1933, com a Alemanha e já com Adolf Hitler no poder, uma concordata foi assinada entre o Estado e a Igreja a pretexto de garantir segurança aos católicos – A Reichskonkordat (2)
Uma das primeiras medidas do governo nazista foi apresentar um projeto de Lei de Exceção, através do qual Hitler ficava autorizado a aprovar leis sem consultar o parlamento. Vários dirigentes do Partido de Centro (Zentrum/católico) resistiram em dar carta branca ao novo governo. Então o Vaticano entrou no jogo e pressionou para que eles votassem favoravelmente – pois esta era uma das condições para a assinatura da concordata. Estava aberto o caminho da ditadura nazista, com a bênção de Roma. Em julho daquele mesmo ano, o cardeal Pacelli (futuro Papa Pio XII), em nome de Pio XI, assinou a concordata com o governo nazista. A partir de então a Igreja Católica e todas as suas organizações deveriam se afastar de qualquer de ação política e social.
SEM A INTERVENÇÃO DA IGREJA CATÓLICA, HITLER NÃO TERIA PODIDO TER PLENOS PODERES SOBRE  A DELEGAÇÃO PARLAMENTAR!  A HISTÓRIA TERIA SIDO CERTAMENTE DIVERSA E MUITOS CRIMES PODERIAM TER SIDO EVITADOS.
 

Espanha

No que se refere a Espanha, o mundo inteiro conhece o papel que a hierarquia católica ali representou na vitória do fascismo. Os conventos católicos espanhóis não foram apenas centros políticos, mas também centros militares da rebelião fascista. Em 1º de abril de 1939, o mesmo dia em que o general Franco emitiu a famosa "última parte" e proclamou que a "guerra civíl espanhola acabou", o Papa Pío XII (cardeal Pacelli que a 02 de março foi Papa, após a morte de Pío XI) enviou um telegrama parabenizando Franco por sua "vitória católica":
Elevando nossos corações para o Senhor, agradecemos sinceramente com Vossa Excelência a desejada vitória católica em Espanha. Desejamos que este amado país tenha alcançado a paz, empreendida com vigor renovado suas antigas tradições, como grande que eles fizeram. Com estes sentimentos, calorosamente enviar a Vossa Excelência e ao Pueblo Espanol nossa bênção apostólica. Pío XII”
Fonte: https://es.wikipedia.org/wiki/Iglesia_cat%C3%B3lica_y_Guerra_Civil_Espa%C3%B1ola#La_carta_colectiva_del_episcopado_espa.C3.B1ol_a_los_obispos_de_todo_el_mundo_.28julio-agosto_de_1937.29
 
É claro que a máquina de desinformação do Vaticano atualmente tenta desvalorizar estes atos firmados com estes ditadores, dando as mais variadas desculpas, mas o fato é que assinaram e conferiram com isso poderes reforçados a Mussolini, a Franco e a Hitler. 
 

 Franz Von Papen, à esquerda na foto com Hitler e Goebbels

 
Cremos que a declaração de Franz Von Papen, núncio apostólico e futuro vice-chanceler no governo de Hitler, ao jornal do partido, Volkischer Beobachter (Observador Popular) em janeiro de 1934, resume bem essa questão:

“O III Reich é o primeiro poder que, não apenas reconhece, mas põe em prática os altos princípios do papado”
 
Assim em 1933 a Igreja Católica tinha conseguido ir muito além de seus sonhos, elegendo com sucesso ditadores fiéis católicos na Itália, Alemanha, Espanha, Portugal, Croácia e nações-chave na América do Sul.
 

Financiando a Guerra

Para muitos os EUA foi um país herói da II Guerra, mas as coisas não foram bem assim pois este país foi um grande financiador, fornecedor e municiador do regime Nazi. Como veremos os EUA foi apenas mais uma peça num jogo de xadrez que já tinha vencedor estipulado à partida.
O financiamento da Alemanha Nazi
Poucos questionam como a Alemanha, uma nação derrotada e devastada pela 1ª guerra mundial, depressa se transformou numa evoluída máquina de guerra super bem equipada e eficiente. Pois bem, a verdadeira resposta a isso mostra-nos como toda a trama foi montada pelas elites mundiais.

 Franklin Roosevelt foi um maçom assumido

 
Após a eleição do católico e assumido maçom Franklin Roosevelt como Presidente Norte Americano, a Igreja Católica tinha um dos seus elementos no controle duma das mais ricas e poderosas nações da terra.

 Jesuíta Edmund Walsh

Graças ao trabalho do padre jesuíta Edmund Walsh (3) - um dos mais poderosos e influentes americanos da história - e seu intenso e incondicional apoio a Hitler e ditadores católicos como "bom para os negócios"... centenas de milhões de dólares começaram a ser investidos na reconstrução da economia alemã (que se encontrava decrepita devido à derrota na 1ªa guerra mundial) e no revolucionário partido Nazista.
 
No livro “A conexão nazista”-NAZI NEXUS, do Autor Edwin Black, são expostas algumas dessas ligações tenebrosas entre Hitler e os americanos Ford, Rockefeller Foundation e outras corporações americanas.
Foi a norte-americana General Motors quem tirou Hitler de cima de cavalos e colocou seus exércitos letais em camiões de modo a travar sua Blitzkrieg – guerra relâmpago – contra a Europa. A GM fabricou o camião Blitz para a Blitzkrieg. Na qualidade de maior fornecedora de carros e camiões para o Reich, a GM tornou-se parceira indispensável da guerra de Hitler.
Foi a americana IBM que projetou sob medida e planeou em conjunto as soluções nazistas de tecnologias de informação. A IBM desfrutava na época de completo monopólio sobre tecnologia de informação. Sob a gerência de seu presidente, Thomas Watson, e anunciando-se como “uma empresa de soluções”, em 1933 a IBM alcançou o novo regime de Hitler, oferecendo-se para organizar e sistematizar qualquer solução que o Reich desejasse, inclusive soluções para o problema dos judeus.
 
Podemos inclusivamente ler na história secular:

Influências da sociedade norte-americana no nazismo

"A Associated Press inspirou Goebbels a fazer sua propaganda na Alemanha e recebeu material do próprio para formular suas manchetes, o que se adequou, pois naquele país não havia a distinção entre propaganda (no sentido de poder escolher o formato da propaganda a fazer) e publicidade (no sentido de ser pago para faze-lo) ao contrário dos países anglo-saxões industrializados da época. O jornal foi o único do mundo ocidental a poder continuar operando no país até o Ataque a Pearl Harbor em 1941. O próprio Hitler também admitiu que os campos de concentração foram inspirados das reservas indígenas norte-americanas. 
Fundação Rockefeller financiou o programa eugenista de Joseph Mengele e em 1934 eugenistas norte-americanos organizaram uma feira científica para recepcionar os médicos higienistas alemães além do fato de que estas pesquisas serviram de inspiração para a criação das leis de Nuremberg. A família Rockefeller através do Chase Bank é também investigada por guardar dinheiro que nazistas tomaram de judeus franceses na Suíça ainda durante a Segunda Guerra. Heinrich Himmler declarou que Ford era como "um dos nossos mais valiosos e importantes, combatentes espirituosos" depois de receber financiamento dele na campanha eleitoral de 1933 e Walt Disney apoiou ativamente o nazismoO vice-presidente das relações exteriores da GM, James D. Mooney, recebeu condecorações similares à dele, como no caso da Ordem de Mérito da Águia Alemã de 1.ª Classe dele. O próprio Hitler reverenciava Ford, mantendo um retrato dele em seu gabinete, além de desejar colocar as suas ideias em prática na Alemanha."
Fonte: pt.wikipedia.org/wiki/Nazismo_nos_Estados_Unidos
Ou seja, é assumido e claro que as elites americanas financiaram os Nazis. Podemos ver em destaque os illuminati Rockefeller e Rothschild por intermédia da sua agência noticiosa Associated Press (que ainda hoje é quem fornece as notícias à mídia que consumimos).
 
Hitler no seu livro Mein Kampf dizia
“Existe hoje em dia um único Estado em que são detetáveis iniciativas hesitantes no sentido de uma conceção de qualidade superior. Esse Estado não é, obviamente, nossa modelar República Alemã, mas os Estados Unidos.”
 
Constatamos então que se não fosse o continuado e consciente envolvimento de poderosas corporações norte-americanas na guerra de Hitler, a velocidade, o formato e as estatísticas do Holocausto como o conhecemos teriam sido dramaticamente diferentes.
 

O Trabalho do Papa Negro, líder supremo dos Jesuítas

Já noutro artigo analisamos o poder e significado desse título (4).

 Wlodimir (Vladimir) Ledochowski, Papa Negro e logo verdadeiro mentor de toda a estratégia do Vaticano na II Guerra Mundial

 
Com os Estados Unidos agora como um forte aliado do Vaticano - pela primeira vez na história - o Padre Wlodimir Ledochowski – líder supremo dos Jesuítas (Papa Negro) e consequentemente do Vaticano (mesmo acima do Papa Pio), desencadeou uma corrente de literatura e propaganda contra grupos minoritários, especialmente os judeus. Podemos ler no Wikipédia:
"Mussolini e Ledochowski exibiram fortes tendências anti-semitas e pró-fascistas. Kertzer escreve que Ledochowski trabalhou para promover o anti-semitismo e alinhar o Vaticano com a Itália e a Alemanha. "O líder jesuíta [Ledochowski] não fez segredo de seu entusiasmo para o regime fascista.”
Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/Wlodimir_Led%C3%B3chowski
 
E assim o mundo se transformou rapidamente... de discussões filosóficas relativas e secularismo, para discussões sérias sobre eugenia, pureza racial e como lidar com perigosas minorias "anti-sociais".Com o mundo em guerra no final de 1939, o Vaticano tinha as condições ideais para dar andamento no seu plano de efetuar uma "limpeza étnica" numa escala sem precedentes.
 

Jesuítas nos Nazis

 
Himmler
Como prova para o mal premeditado da equipe do Papa Pio XII - Ledochowski já tinha forçado Hitler a aceitar a nomeação do então seminarista católico Heinrich Himmler - Então com 29 anos de idade - como chefe da Schutzstaffel (SS Nazista) em 1929.

 Himmler, chefe supremo (Reischsfuehrer)  das SS

 
Embora não sejam negadas as origens católicas de Himmler, a sua ligação aos Jesuítas é de certa forma escondida pela história secular, mas não é por acaso que lemos sobre a ideologia das SS no Wikipédia:
"Os SS colocaram na sua intensa doutrinação uma ênfase sobre o elitismo e retratavam-se como parte de uma "elite" que " era explicitamente modelada em uma versão histórica das ordens religiosas, como os Cavaleiros Teutônicos ou os Jesuítas.”
Fonte: Ideology of the SS
https://en.wikipedia.org/wiki/Ideology_of_the_SS
Ora Himmler só poderia inspirar as SS nos Jesuítas se tivesse profundo conhecimento do seu modo de ação. O próprio Hitler afirmou no livro "Libres propos" (Flammarion):
"Eu vejo Himmler como o nosso Inácio de Loyola"
 
Ora para quem não conhece Inácio de Loyola (5) ele foi simplesmente o fundador da ordem dos jesuítas, pelo que para bom entendedor, meia palavra basta.
 
Goebbels

 Goebbels ao centro com o Arcebispo Cesare Orsenigo, núncio papal para a Alemanha

 
Quanto a Goebbels, o ministro da propaganda Nazi, a própria história secular admite:
“O ministro nazista da Propaganda Joseph Goebbels tinha sido aluno de jesuítas...”
Fonte: Jesuits and Nazi Germany
https://en.wikipedia.org/wiki/Jesuits_and_Nazi_Germany
 
Assim Pacelli e Ledochowski ajudaram então a proteger e guiar estes homens durante a eclosão da II Guerra Mundial. Mais tarde Himmler diz romper com o catolicismo e abraçar o ocultismo, mas tudo isso foi apenas uma cortina de fumo para desviar as atenções dos seus mestres Jesuítas, esses sim ocultistas profissionais que lhe ensinaram tudo que sabia. Aliás na história secular é nos dito que mais tarde o regime Nazi tenta erradicar o cristianismo, e de certa forma isso é verdade, mas apenas o “cristianismo” que se opunha ao Vaticano, como o ortodoxo, o protestante e apenas dos católicos que se opunham à sua política. O Vaticano apenas usa esse argumento como válvula de escape à sua atuação.
 

A Solução Final

Solução final refere-se na história secular ao plano nazista (ou na realidade das cúpulas do Vaticano) de remover a população judia de todos os territórios ocupados pela Alemanha, durante a Segunda Guerra Mundial.
O plano era simples - convencer os ditadores católicos a transportar os "indesejados" aos "campos de trabalho", onde seriam colocados em uso e, mais tarde, "despachados", ou seja, assassinados discretamente usando os serviços confiáveis da unidade nazista mais "intocável", a SS. O projeto “Solução Final” visava eliminar judeus, ciganos, eslavos (ortodoxos) e se possível protestantes da Europa.
Durante o massacre que foi levado a cabo o Papa Pio XII, que dispunha da única rádio independente em toda a Europa ocupada, jamais alçou-se em fazer sequer uma denúncia pública das atrocidades que os nazis estavam cometendo nesta altura, o seu silêncio foi ensurdecedor.

 Uma vala comum dentro do campo de extermínio de Bergen-Belsen.

 
Entre 1933 e 1944 mais de seis milhões de judeus foram assassinados nos campos de extermínios nazis. Depois de forte pressão de muitos católicos e judeus, em 1942 Pio XII preparou uma homilia de Natal que visava denunciar esta situação. Para deceção geral ela acabou sendo uma declaração inócua que nem ao menos teve a coragem de usar as palavras judeu, genocídio e nazismo.
 

O Holocausto Croata

 
Enquanto os campos de concentração administrados pelos nazis durante a Segunda Guerra Mundial são hoje os mais conhecidos, existiam também campos de concentração semelhantes na ex-Jugoslávia, muitos dirigidos por padres católicos. Após as Potências do Eixo ocuparem a ex-Jugoslávia em 1941, um novo governo fascista foi formado chamado de ”Estado Independente da Croácia”, que foi considerado como tendo sido um “estado-fantoche nazista”. O novo governo foi designado pela Utashe, versão croata dos nazistas, chefiado por um ditador chamado Ante Pavelic. 
 Ante Pavelic
 
Em 14 de abril, o arcebispo católico da Croácia, Alojzije Stepinac, reunia-se com Pavelic para transmitir-lhe sua felicitação, enquanto todos os sinos das igrejas do país soavam como forma de celebrar a vitória. Em troca do apoio Stepinac recebeu de Pavelic a nomeação de Supremo Vicário Apostólico Militar do Exército Ustashe. 

 Encontro entre Pavelic e Stepinac

 
A imprensa católica se desfazia em bajulação ao ditador. Depois de Pavelic assumir o poder, o arcebispo Stepinac realizou um banquete para o ditador, proclamando-o “a mão de Deus no trabalho.” Pavelic também foi recebido pelo Papa Pio XII em pessoa. Quatro dias antes de Pavelic conhecer o Papa, o Utashe havia trancado centenas de sérvios dentro de uma igreja ortodoxa e os queimado lá dentro. Diplomatas jugoslavos advertiram o Papa das atrocidades e pediram para que ele não se encontrasse com o ditador fascista, mas o Papa Pio XII recusou e ainda assim recebeu Pavelic.

 Encontro de Pavelic com Pio XII

 
A identidade do Estado Croata estava baseada mais na afiliação religiosa que na etnicidade. O fanatismo católico dos ustashe estava decidido a converter a Croácia em um país católico mediante uma combinação de conversões religiosas forçadas, expulsão e se necessário fosse, extermínio.

 Sérvios em conversões forçadas ao catolicismo

 
 Stepinac chegou a declarar:
"Depois de tudo, os croatas e os sérvios pertencem a dois mundos distintos, pólo norte e pólo sul, nunca se darão bem a não ser por um milagre de Deus. O cisma da Igreja Ortodoxa é a maior maldição da Europa, quase mais que o protestantismo. Aqui não há moral, nem princípios, nem verdade, nem justiça, nem honestidade."
 
Tais ambições genocidas logo se tornaram uma realidade horrível. Os campos de concentração foram criados em todo o país, incluindo um dos maiores campos na Europa em Jasenovac, onde cerca de 800.000 sérvios, judeus, ciganos e dissidentes políticos e religiosos foram mortos. 

 Frei franciscano Miroslav Filipovic (6), que dirigiu o campo de Jasenovac, onde se deu uma morte atroz a milhares de pessoas

Clérigos católicos croatas serviram como guardas e carrascos nos campos. Todas as propriedades da Igreja ortodoxa foram saqueadas e confiscadas. A maior parte desta pilhagem foi transferida para a Igreja católica croata, que seguia encantada com o regime. O Vaticano atualmente tenta demarcar-se das acusações de ter pactuado com o regime croata, mas os fatos falam por si. Negar é fácil mas contra fatos não há argumentos. Você também pode confirmar estas informações nas fontes.

Ouro nazi e Vaticano

 
É costume dizer para seguir o dinheiro que se encontrará os responsáveis. Pois bem, neste caso o ditado comprova a nossa investigação. Muito se especulou sobre o Vaticano ter tido interesse e contrabandeado ouro Nazi, tudo sempre negado e afirmado pelo Vaticano como calúnia. 
Até que em 1997 um documento do Departamento do Tesouro norte-americano vazou, sabendo-se finalmente que o Vaticano sempre contrabandeou ouro nazi durante a II Guerra Mundial, apesar de ser uma entidade neutra. O banco do Vaticano aparentemente canalizou dinheiro que foi roubado de sérvios e judeus pelos Utashe. 
No final da guerra, os Utashe começaram a roubar das vítimas de suas campanhas de limpeza étnica e então contrabandearam 350 milhões de francos suíços, que vale cerca de US$ 440 milhões de dólares, da Jugoslávia pelo Vaticano. Segundo o documento, esse dinheiro foi posteriormente canalizado através de um chamado “Vatican pipeline” para a Argentina e Espanha, onde foi dado aos nazis que fugiram da acusação por crimes de guerra.O dinheiro foi então usado para apoiar a organização assassina Ustashe enquanto eles estavam no exílio.
O documento diz ainda que o banco do Vaticano teria ficado com 200 milhões de francos, ou seja, cerca de US$ 254 milhões de dólares (em valores atualizados) que os nazis teriam tirado de sérvios, judeus e outros perseguidos políticos durante a Segunda Guerra Mundial (1939-45). 
Posteriormente o Vaticano foi acusado e processado por uma entidade desconhecida sobre este caso, mas com a sua enorme força diplomática sobre  os EUA conseguiu abafar o caso.
Você pode saber mais sobre isso aqui:
Documento liga Vaticano aos nazistas
Arquivo do governo dos EUA diz que igreja guardou dinheiro roubado de vítimas dos alemães na Croácia
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft230708.htm
 
Pós Guerra 
RAT LINES - Linhas de Ratos
Em 1945 com a vitória dos aliados, os nazis seriam julgados e condenados por seus atos de barbárie, e, apesar de suas condenações não trazerem à vida os milhares dizimados, ao menos os soldados e demais sobreviventes poderiam sentir a alegria de que a justiça havia sido feita... Mas, infelizmente, os fatos nos mostram que não foi exatamente assim que tudo terminou. Então, vamos lembrar…
Durante o caos pós-guerra, muitos nazis menos conhecidos, porém não menos terríveis, misturaram-se com facilidade entre os cidadãos comuns em Berlim. Assim, diferentemente dos oficiais mais divulgados pela mídia, que foram julgados no tribunal de Nuremberga, muitos conseguiram escapar. Foi formado um esquema de fuga para ex-oficiais da SS, envolvendo o Vaticano através do Bispo Alois Hudal, que em 1945 foi escolhido por PIO XII para ser seu representante perante os falantes de alemão na Itália, mantidos em campos de internação. 

 Bispo Alois Hudal

 
Hudal ajudou a criar rotas de fuga conhecidas como “ratlines”- Linhas de Ratos, permitindo aos nazistas fugir para a América do Sul. Ele usou sua posição na hierarquia da Igreja para obter passaportes e vistos através de Organização do Vaticano para os Refugiados.
Na sua página no Wikipédia podemos ler:
Após a Segunda Guerra Mundial, Hudal ajudou a estabelecer as "ratlines", permitindo que importantes líderes alemães nazistas e outros oficiais e políticos europeus do Eixo, entre eles criminosos de guerra, escapassem de julgamentos e da desnazificação dos Aliados.
Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Alois_Hudal
Assim Hudal, fez contatos importantes para estabelecer a rota e contou com a ajuda de governos latino americanos pró-nazistas, como o governo de Perón (através de sua esposa Evita), fazendo com que a Argentina passasse a ser a principal base operacional da rota de fuga na América Latina. 
Conforme vemos na página do Wikipédia o ditador croata Ante Pavelic foi um dos que fugiu usando estas rotas, entre muitos outros assassinos. O que o Vaticano fez após a II Guerra Mundial foi um crime... A evidência é inequívoca: A "Santa" Sé ajudou a fuga de criminosos da justiça internacional. Não há desculpas!
É caso para perguntar se realmente Hitler se terá suicidado...
 
 
Operação Paperclip
 
 
Também não devemos esquecer a Operação Paperclip da CIA que levou para os EUA cientistas que serviram no regime Nazi, no Wikipédia lemos:
 
Originalmente chamada de Operação Overcast, a Operação Paperclip foi o nome de código da operação realizada pelo serviço de inteligência militar dos Estados Unidos para cooptar e levar aos Estados Unidos cientistas especializados em foguetes (V-1V-2), eletro-gravitação, armas químicas, e medicina da Alemanha com o colapso do governo nacional socialista (Nazi) após a Segunda Guerra Mundial.
Fonte: pt.wikipedia.org/wiki/Opera%C3%A7%C3%A3o_Paperclip
 
E atualmente o governo americano dá a desculpa ridícula que não teve conhecimento desta operação levada a cabo pelo seu próprio serviço de inteligência militar... mas o pior de tudo é que existe quem acredita...
 
 

Satanismo e Nazismo

Vemos então envolvidos nesta horrenda conspiração que conduziu à morte de milhões o Vaticano e as elites illuminati tais como Rockefellers e Rothschilds, sendo que o seu envolvimento com o satanismo já foi por demais exposto neste site, sendo isso verdadeiramente o que os move.
É quase certo que nenhuma menção do sacrifício humano vivo, nem rituais satânicos teriam sido jamais mencionados a ninguém pelos altos círculos do Vaticano e dos jesuítas, nem pela tropa leal da SS sob o comando de Himmler, mas as evidências de ocultismo estão por todo o lado na cultura Nazi.

 A suástica nazi e o Sol Negro representam a mesma coisa, o centro do poder satânico

 
Não vamos aqui ser exaustivos na análise a esses dados pois já o fizemos em outros artigos, mas não podiamos deixar de mencionar a adoração ao Sol Negro evidênciada no regime Nazi, sendo esse Sol Negro um importante simbolo satânico, nas referências um artigo em que abordamos exaustivamente este assunto (7).
 

Conclusões

Objetivos das guerras mundiais e a Nova Ordem Mundial

Assim vemos aqui como a história que nos contam é apenas a ponta do icebergue, mas para quem estuda a verdadeira história desprovido de preconceitos estes dados terão de ser altamente relevantes e esclarecedores. 
A verdade é que este conflito foi todo organizado por forças satânicas encabeçadas pelo Vaticano que controlavam tanto a Alemanha Nazi, como os países aliados. Tal como vimos com os EUA que entraram para a história secular como salvadores da Europa mas na verdade foram eles que financiaram e estruturaram a máquina de guerra de Hitler.

 Vista aérea da Base Naval dos EUA em Coronado, Califórnia mostrando quem efetivamente os domina

 

E os objetivos satânicos para a guerra além de eliminar opositores e trazer destruição à humanidade eram já o de preparar o caminho para a chegada da Nova Ordem Mundial. Os Nazis satanistas não perderam a guerra, eles simplesmente deram um passo rumo ao seu real objetivo.
Sabemos que na verdade quem domina o Vaticano é a cabala satânica. Este movimento disfarçadamente se dizendo judaico sionista (pois na verdade é satânico e antisemita), tem como grande objetivo o controlo de Israel e Jerusalém para que o Anticristo estabeleça lá o seu reino final. 
E se a primeira grande guerra daria lugar a mais um artigo, tudo resumido o que eles conseguiram foi por intermédio da Inglaterra retirar a Palestina do domínio do controlo Otomano, vemos pela Declaração de Balfour (emitida no final do conflito), onde podemos ler:
"Caro Lord Rothschild,
"Tenho o grande prazer de endereçar a V. Sa., em nome do governo de Sua Majestade, a seguinte declaração de simpatia quanto às aspirações sionistas, declaração submetida ao gabinete e por ele aprovada:
O governo de Sua Majestade encara favoravelmente o estabelecimento, na Palestina, de um Lar Nacional para o Povo Judeu, e empregará todos os seus esforços no sentido de facilitar a realização desse objetivo, entendendo-se claramente que nada será feito que possa atentar contra os direitos civis e religiosos das coletividades não-judaicas existentes na Palestina, nem contra os direitos e o estatuto político de que gozam os judeus em qualquer outro país. Desde já, declaro-me extremamente grato a V. Sa. pela gentileza de encaminhar esta declaração ao conhecimento da Federação Sionista.
Arthur James Balfour."
Fonte: pt.wikipedia.org/wiki/Declara%C3%A7%C3%A3o_de_Balfour
Com a segunda Guerra por sua vez conseguiram a independência e o controlo total do estado de Israel que é até hoje um país fantoche na mão de satanistas que se dizem judeus, mas que na verdade por trás da cortina só pretendem a destruição desse povo.

E o plano satânico está prestes a ser culminado com uma guerra e caos mundial que preparará o mundo para a sua tão aguardada solução e domínio de Satanás no mundo: 

A Nova Ordem Mundial

 Tal como na 2ª Guerra também agora vemos "extremistas polarizadores" em lugares chave a chegar ao poder com a benção católica. Trump com o mais importante representante da igreja católica nos EUA, o cardeal Timothy Dolan

Tudo que vemos acontecer hoje em dia, segue o mesmo padrão das duas ultimas grandes guerras mundiais: Crise económica, líderes polarizadores no poder, ambiente explosivo na sociedade e jogo duplo do Vaticano, que por um lado critica os "extremistas", mas por outro confraterniza amigavelmente com eles. E se nas duas primeiras guerras conseguiram o domínio de Israel, agora o passo final é o domínio do mundo e o estabelecimento da sede do seu poder na Terra Santa.

 O Papa Pio XII, beatificado pelo Vaticano, foi considerado por este como um "baluarte da paz" na II guerra mundial, mas como aqui vimos o seu comportamento foi no mínimo vergonhoso face ao holocausto Nazi

 
Na II Guerra quando se viu com claridade que o curso da guerra ia a ser contrário ao Eixo, o Papa e muitos outros católicos que pactuaram com os assassinos realizaram alguns atos de "repentino humanitarismo" como meio de desviar atenções, mas uma análise atenta aos pormenores da história revelam os verdadeiros culpados.
O reino de Satanás se alimenta de conflito e rebelião e este tem sido o trabalho dos satanistas da cabala controlando os governos e religiões mundiais através de sociedades secretas para enganar o mundo inteiro e colocá-lo sob absoluto domínio satânico e consequente escravidão. Você pode optar por desvalorizar estas informações e acreditar apenas na história que os mídia lhe contam, mas fazer de conta que estas coisas não aconteceram não alterará a verdade dos factos.
 

Nota Final

Neste artigo mostramos de forma inequivoca o nível a que desce o verdadeiro inimigo do homem e as instituições por ele controladas. Os Nazis satanistas continuam no poder e se no passado milhões foram mortos para que os seus objetivos fossem conseguidos, agora não será diferente. Com este artigo não pretendemos amedrontá-lo, mas sim alertá-lo dando-lhe uma forma de pela informação combater estes assassinos que pretendem a sua escravização. Esta guerra pelas almas dos homens está prestes a terminar, o governo humano corrupto foi totalmente manipulado por satanistas ao longo da história e falhou. Os limites foram totalmente ultrapassados e o Criador irá brevemente intervir de forma a julgar o mundo e dar a cada um o merecido por suas obras. Esta é a sua oportunidade de escolher o lado pelo qual quer lutar. O silêncio é pactuar com os assassinos e no final cada qual só se poderá queixar de si mesmo, pois a verdade esteve disponível a todos. O seu trabalho de divulgação pode fazer toda a diferença na salvação de almas, estando certo que com a entrega de sua vida a Jesus Ele sempre o protegerá.
Luz ou Trevas, a escolha será sua…
"Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo"
Apocalipse 3:9
 

Referências:


(1) Tratado de Latrão

https://pt.wikipedia.org/wiki/Tratado_de_Latr%C3%A3o
(2) Reichskonkordat
https://pt.wikipedia.org/wiki/Reichskonkordat
 
(3) Edmund A. Walsh
https://en.wikipedia.org/wiki/Edmund_A._Walsh
 
(4) O PAPA NEGRO (act. 2017)
www.nunes3373.com/news/o-papa-negro/
 
(5) Inácio de Loyola
pt.wikipedia.org/wiki/In%C3%A1cio_de_Loyola
 
(6) Miroslav Filipović
en.wikipedia.org/wiki/Miroslav_Filipovi%C4%87
 
(7) Alienígenas Hiperdimensionais e o Sol Negro (Parte 3) - O Sol Negro

 

Fontes:

 
Wikipédia – várias páginas
 
Vaticano e o Nazismo e Holocausto que ninguém comenta
http://bastidoresdanet.blogspot.pt/2016/02/vaticano-e-o-nazismo-e-holocausto-que.html
 
Os Horrores do Nazismo e o Vaticano
http://www.cacp.org.br/os-horrores-do-nazismo-e-o-vaticano/
 
Henry Ford, Rockefeller, GM, IBM e o Nazismo
http://verdademundial.com.br/2015/02/henry-ford-rockefeller-gm-ibm-e-o-nazismo/
 
Os Filhos de Loyola
jornalcelestial.portaldosanjos.net/2014/11/os-filhos-de-loyola.html
 
www.spirituallysmart.com/nazi.html
 
O genocídio sérvio na Croácia e o silêncio do Vaticano
Você sabia que a Igreja Católica apoiou o nazismo?
https://abalaweb.wordpress.com/2013/02/15/voce-sabia-que-a-igreja-catolica-apoiou-o-nazismo/
 
O Papa e o nazismo
http://www.vermelho.org.br/coluna.php?id_coluna_texto=730